REVISTA ELETRÔNICA DA BIBLIOTECA VIRTUAL CONSUELO PONDÉ – N.4 AGO DE 2016. ISSN 2525-295X

SINGULAR

 

 

CASARÕES DO VALE: HISTÓRIA, MEMÓRIA E PATRIMÔNIO 1

 

Maria Fernanda Oliveira Marques 2

 

casa de colonia

Este texto tem como objetivo divulgar o patrimônio arquitetônico e histórico de alguns municípios baianos do Território de Identidade do Vale do Jiquiriçá – Amargosa, Brejões, Jiquiriçá, Santa Inês e Ubaíra – através da análise da arquitetura de casarões construídos entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX.

 

A região do Vale do Jiquiriçá está situada numa faixa intermediária entre a zona litorânea e o sertão baiano. O processo de colonização do território ocorreu, sobretudo, entre os séculos XVIII e XIX, influenciado pelo movimento de interiorização, provocado, principalmente, pela mineração e pela criação de gado. Os municípios analisados neste trabalho fazem parte de uma área de predominância rural ao Sul do Recôncavo, onde o cultivo agrícola foi distinto do poderio da produção açucareira, predominando, inicialmente, uma agricultura de subsistência cuja base sustentava-se no cultivo da mandioca, na produção de fumo e na criação de gado destinado, principalmente, para o consumo local.

 

casa1Sobrado rural da Fazenda Três Lagoas, município Ubaíra.

Com planta em L, certamente foi construído no início do século XX.

 

 

IMG2

Pavimentação próximo à Estação, [1940?]. Autoria: não identificada. Fonte: Arquivo Municipal de Amargosa

 

A partir da segunda metade do século XIX, o plantio do café começou a se expandir na região, tornando-se a lavoura de maior destaque. Contudo, o desenvolvimento da economia cafeeira não teria sido possível sem a estrada de ferro: as tropas não teriam condições de escoar uma ampla produção por grandes distâncias. A implantação da rede ferroviária no final do século XIX, na região, e a valorização do café no mercado mundial, foram fundamentais para a expansão do plantio e do cultivo do grão, que teve o escoamento e a exportação favorecidos pelo transporte ferroviário.

IMG3Estação Ferroviária de Amargosa [1946?] p&b. Autoria: Oliveira.

Fonte: Arquivo Municipal de Amargosa

Enriquecida pela produção de gêneros como o café e o fumo, entre o final do século XIX e o início do século XX, acrescida das facilidades no transporte de mercadorias, bens e serviços proporcionadas pelo advento da ferrovia Tram-Road de Nazareth na região, a elite econômica e política estava em condições de acompanhar os modismos da arquitetura; de modo que, nos municípios pesquisados, ainda resistem alguns belíssimos exemplares de uma arquitetura onde a presença de ornamentos caracterizados por elementos decorativos, como estuques em temáticas florais, volutas e outros símbolos, ganham importância nas fachadas, demonstrando status social e as relações de poder.

 

casa2 Antiga Estação Ferroviária de Amargosa, construída em 1892

 

A maioria dos imóveis catalogados pertence, ou pertenceu, a famílias e grupos sociais privados que detinham o poder político e econômico na região. Em alguns destes municípios, muitos imóveis foram apropriados pelos poderes públicos, a exemplo das estações ferroviárias que, com a desativação da ferrovia, foram adaptadas para atividades do setor público municipal ou estadual, tais como: cadeia pública, escolas ou centros administrativos, como prefeituras e secretarias municipais.

 

O levantamento arquitetônico realizado através dos imóveis catalogados versa sobre uma arquitetura onde coexistem variadas técnicas, programas e estilos. Por meio da análise, principalmente das fachadas, do corte dos vãos, dos elementos decorativos, das platibandas, frontões ou beirais e da distribuição do imóvel na dimensão do terreno, foi possível identificar imóveis que remetem a influências do período e estilo colonial, neoclássico, eclético e, ainda, Art déco. Desse modo, observa-se que a arquitetura, assim como tudo que perpassa por ações humanas, não é estática, e ao longo do processo de formação e desenvolvimento das cidades pesquisadas, passou por variações.

 

casa3Fazenda Floresta Negra, em Amargosa. A casa da sede foi construída no final do século XIX pelo pai de Pedro Calmon, o Cel. Pedro Calmon Freire Bittencourt. Foi inspirada nas fazendas de café de São Paulo e compõe um complexo agroindustrial de produção e beneficiamento de café.

 

O patrimônio material, aqui representado pela arquitetura, é importante espaço de preservação da história, pois possui íntima relação com os aspectos econômicos, sociais e culturais que marcam cada sociedade. No campo sociocultural, esses edifícios são lembrados pelos indivíduos como espaços de acontecimentos e de vivências, ou mesmo como parte da paisagem local que permite o reconhecimento do lugar, tornando a cidade um tipo de escrita, às vezes construída por fragmentos, mas que figura uma leitura, onde as marcas da história ficam nos caminhos percorridos pelos indivíduos, nos traçados de suas ruas, nas concepções de suas praças, experimentadas por tantas gerações.

 

casa4Fazenda Bom Conselho, Amargosa- Ba. Construída em meados do século XIX

 

Os imóveis onde se reside, trabalha, estuda e que compõem o cenário no qual a população transita e dialoga no dia-a-dia, são testemunhos da história da comunidade, simbolizam o “saber fazer” da ocasião em que foram edificados e fazem parte do cotidiano das pessoas. Essas construções se entrelaçam na vida e nas experiências dos indivíduos, e se tornam “lugares de memória”, representações não só de um jeito de viver, como de um modo de ser que, resistindo por décadas ou séculos, fazem parte da vida de gerações contemporâneas e passadas, são heranças deixadas que interligam as pessoas entre o passado edificado e o dinâmico mundo atual.

 

 

GALERIA. (Clique na imagem para ampliá-la)

 

hse

Prédio público situado na Praça Antônio Pereira dos Santos, n° 36, em Brejões, foi construído entre o final do século XIX e início do século XX.

 

hse2

Prédio onde funciona a CEPLAC, localizado à Rua Tenente Wagner Gondim, s/nº, centro do município Ubaíra. Foi construído em 1906, em estilo neoclássico, para abrigar a Estação Ferroviária de Areia, hoje, Ubaíra.

 

hse3

Escola Góes Calmon situada na Avenida Góes Calmon, nº 35, Centro, Santa Inês – Ba.

Praça da Bandeira, Santa Inês – Ba. Ano: 1957. Fonte: IBGE

 

hse4

Praça da Bandeira, Santa Inês- Ba. p&b, 1957. Fonte: IBGE.

int

Maquinário original em madeira datado de 1853. Pertence à casa de farinha da Fazenda Bom Conselho em Amargosa.

int2

Interior da casa da Fazenda Bom Conselho em Amargosa.

hse6

Complexo Agroindustrial de beneficiamento de Café da Fazenda Floresta Negra em Amargosa. (Que pertenceu a Pedro Calmon Freire Bittencourt)

hse5

Casa da Fazenda Santa Rita, Ubaíra. Construída possivelmente no primeiro quartel do século XX.

 

 

casa colonial 2

 

 

 


 

NOTAS

 

1 Este projeto foi contemplado pelo Edital nº 29/2012 – Patrimônio Cultural, Arquitetura e Urbanismo da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, sendo executado com apoio financeiro: IPAC, Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Secretaria da Cultura, Governo do Estado da Bahia.

2 Graduada em história pela Universidade Estadual do Estado da Bahia – UESB, atuou como pesquisadora e produtora do projeto.